top of page
Buscar
  • Celia Gouvea

SOBRE O USO DE CONSERVANTES NAS SOLUÇÕES DE FLORAIS

O CONAFLOR foi recentemente procurado pelas associações de Terapeutas Florais, buscando esclarecimentos sobre o uso de conservantes no preparo de essências florais de uso. Consideramos esse tema bastante importante, exigindo fundamentação e grande responsabilidade, para que o consumo das essências seja feito com segurança.

Como sabemos, Bach escolheu brandy para a função de conservante, por ser um conhaque de uvas, o que também foi adotado pelos seus seguidores. A proporção indicada por ele para o preparo da essência mãe foi de 1:1 na relação de brandy x água. Já, para solução de uso, disponibilizadas normalmente em frascos de 30 ml, o percentual apontado ficou na faixa de 10 a 30% de brandy, sendo adicionadas 2 gts da solução estoque de cada essência e 4 gotas no caso das fórmulas.


Essa quantidade não causa qualquer desconforto, não interferindo nas atividades da vida diária ou no teste do bafômetro, sendo absorvida em questão de minutos, quando pingada diretamente na boca.

Nessa proporção, considerando que o brandy tem, em média, teor alcoólico de 40%, no frasco de 30ml de fórmula de uso, com 30% de brandy, serão encontrados cerca de 3,6 ml de álcool. Como cada gota equivale a 0,05 ml, na solução à 30% teremos 0,02 ml de álcool. Na dose diária de 4 gotas 4 vezes ao dia, o consumo será de 16 gts de solução, equivalendo a 2 gotas de álcool por dia, o que é considerada uma quantidade inexpressiva para nosso metabolismo. Apesar de irrisória essa quantidade pode ser percebida pelo paladar, o que nos leva a sugerir que a solução de uso seja gotejada em um pouco d’água, especialmente no caso das crianças, evitando o aguçar do paladar para o sabor alcoólico.

Essa quantidade não causa qualquer desconforto, não interferindo nas atividades da vida diária ou no teste do bafômetro, sendo absorvida em questão de minutos, quando pingada diretamente na boca.

Quando existe restrição total ou preferência do consumidor, são encontradas algumas alternativas, que garantem a conservação da solução de uso, sem qualquer dano à saúde. As mais usuais são o vinagre de maçã e a glicerina vegetal. O vinagre de maçã é uma opção menos procurada em virtude do forte sabor ácido, pouco tolerado pela maioria das pessoas.

Já a glicerina vegetal tem tido grande aceitação, em especial para as crianças. Entretanto, muito recentemente, foram lançadas algumas dúvidas sobre a segurança do seu uso. Na descrição química (IUPAC, 1993), a glicerina é um composto orgânico, xaroposo, viscoso, transparente, doce e praticamente inodoro, de sabor adocicado. Não volatiliza em soluções aquosas diluídas, mas quando em concentrações acima de 70% passa à forma de vapor no ponto de ebulição da água. É uma substância higroscópica, daí ser mantido em recipiente fechado. É solúvel em água em todas as proporções.

A glicerina pode ser obtida sinteticamente a partir de substâncias petroquímicas, ou a partir de uma reação de transesterificação de gorduras de origem vegetal. O termo glicerina refere-se ao produto na forma comercial, com pureza acima de 95%. O nome científico é glicerol, o qual está presente nos óleos e gorduras de origem animal e vegetal, fazendo parte das membranas celulares, na forma de fosfolipídios. O glicerol é obtido também na fermentação dos açúcares. É amplamente usado na indústria cosmética, de medicamentos e alimentos. O glicerol é considerado como seguro para consumo humano desde 1959, podendo ser usado em diversos produtos alimentícios e farmacêuticos. (BATISTUZZO, 2011)

A glicerina é usada desde a antiguidade, sendo incluída como excipiente em diversas formulações de uso tópico e oral, devido às suas características edulcorantes e umectantes quando em contato com as mucosas. Em concentração acima de 20% tem também propriedades preservantes. Verificou-se que a glicerina é absorvida pelo intestino e metabolizada em glicogênio (glicose). Entretanto, não se verificou restrição do uso em pequenas concentrações para diabéticos ou observou-se toxicidade em pequenas doses.

Em medicamentos, além do seu uso como veículo, é utilizada no controle de glaucoma (aumento da pressão intraocular). Administrado por via retal, como supositório, exerce um efeito laxante. Também é utilizado na forma de enemas para lavagem intestinal. Em estudos que foram realizados para o seu uso no controle de glaucoma foram observadas algumas reações adversas em alguns dos pacientes: cefaleia, náuseas, vômitos. A dosagem utilizada nestes estudos foi de 1,5g/kg corporal. Para uma pessoa de 70kg, 105g de glicerina ou 83,3 ml de glicerina (a densidade da glicerina é de 1,26g/cm3).

No caso específico dos florais, em um frasco de 30 ml, numa solução a 50%, teremos 15ml de glicerina, que equivalem a 18,5g. Caso uma pessoa de 70kg ingira todo o conteúdo deste frasco de uma única vez, isto irá corresponder a 0,26g/kg corporal. Muito distante da dosagem que pode apresentar algumas reações adversas em algumas pessoas. Se uma pessoa ingerir a dosagem padrão de 4 gotas 4 vezes ao dia (16gt/dia) de floral, ela estará ingerindo 8 gotas de glicerina por dia, o que podemos considerar como uma quantidade também insignificante, como no caso do brandy. O uso de glicerina no preparo de florais já ocorre há vários anos, sem relatos de reações adversas. Nas fórmulas florais é indicada a glicerina vegetal, sempre observando o grau de pureza adequado para a ingestão do produto.

Vale destacar que quando falamos de toxicidade de uma substância ou de reações adversas, a quantidade é fator determinante, tanto para o álcool presente no brandy, quanto para a glicerina ou qualquer outra substância.

Neste sentido, consideramos o uso do brandy e da glicerina vegetal no preparo da solução de uso de florais, seguro e eficiente, não havendo registros de restrição para consumo de qualquer um dos dois produtos nas quantidades indicadas.

Observamos ainda que o uso da glicerina na fórmula de uso não tem como finalidade saborizar a solução, mas sim promover a conservação do produto, estendendo seu prazo de validade.

DIRETORIA DO CONAFLOR

REFERÊNCIAS

BATISTUZZO, J.A; ITAYA, M; ETO, Y. - Formulário Médico-Farmacêutico. São Paulo/SP: Tecnopress, 4ª Ed. 2011

BEATRIZ, A.; ARAUJO, Y. J. K; LIMA, D. P. - Glicerol: um breve histórico e aplicação em sínteses estereosseletivas. Quím. Nova, SP, v. 34, n. 2, p.306-3 19, 2011. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-40422011000200025&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 nov. 2019.

FERREIRA, A. de O. et al. - Guia Prático da Farmácia Magistral. 5. ed. Juiz de Fora: Editar, 2018. v. 1.

GIL, E.; BRANDÃO, A. L. - Excipientes: suas aplicações e controle físico-químico. 2. ed. São Paulo: Pharmabooks, 2007.

ORÉFICE, F. - Alguns aspectos clínicos e laboratoriais do glicerol oral. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, v. 42, n.1, p. 16-38, 1979. Disponível em:https://sistemacbo.com/abo/export-pdf/4296/v42n1a05.pdf. Acesso em: 24 nov. 2019.

10.286 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

1 Comment


Mari Anna
Mari Anna
Jan 03

Ola, entao, para que a glicerina atue como conservante, em lugar do Brandy, em um frasco de fórmula floral o correto é que 15mL seja glicerina e os outros 15mL água pura da fonte , é isso?

Like
bottom of page